terça-feira, 7 de agosto de 2012

Sadismo

Por tanto quanto me custe admitir a nossa mais recente descoberta, tenho a obrigação moral e social de o fazer. Uma descoberta que culmina no desfalecer de todo um plano que pormenorizado vivia na minha cabeça respeitante à educação da Rita. Uma descoberta que põe em causa todas as vezes que com toda a pompa do mundo perguntei: "Mas que raio se passa com o teu filho? Aquilo não é normal!". Uma descoberta que tal como num jogo de pinball lança num incessante ricochete em todos os cantos do meu cérebro (até em cantos que a própria neurologia desconhece) a questão: "Mas onde é que eu errei???"
Em suma, descobrimos que a Rita é sádica!


É verdade, esta semana descobrimos que a pimpolha se delícia com uma boa desgraça. Ela não resiste a um bom tropeção, uma boa engasgadela ou uma trilhadela de dedo alheio numa porta, janela ou qualquer outra peça de mobiliário . A rapariga começa a gargalhar quase até lhe faltar o ar. É de bradar aos céus!

O primeiro episódio desta saga ocorreu durante uma viagem de carro no momento em que o Joka ganiu quando fazia uma curva mais apertada (o carro, não o Joka). A garota começou a rir de tal maneira que demorei uns trinta segundos para perceber se estava a rir ou a chorar. Na altura pensamos ser apenas uma triste coincidência, talvez o som do latido do pobre animal lhe tivesse parecido engraçado.
Dias depois a F. ao comer entalou-se e uma vez mais a magana riu tão descontroladamente que ao olha-la só me vinham à ideia duas coisas: - O portão de uma quinta com tábua sim, tábua não, e a famosa gargalhada de Vincent Price no videoclip do Thriller.
Aqui ficamos de pulga atrás da orelha e começamos a simular situações catastróficas como espirros de uma semana, quedas de edificios altos ou a abertura de envelopes de contas como o gás ou a água. Não restam dúvidas. Em todas a Rita chumbou com distinção!

Mas vamos a ter calma pois após um estudo recente levado a cabo por mim por falta de verbas para contratar um cientista Americano, concluí que tem mais pontos positivos que negativos.
Agora come melhor. Ao invés das tradicionais palhaçadas para ela comer que, em abono da verdade nunca resultaram, fazemos simulações de duelos no velho Oeste, Urgências de Hospital ou acidentes do dia-a-dia como pontapés nas pernas da mesa, picadelas de insectos e a sua favorita, calcar cocós de cão. Não falha!
Outro ponto positivo é a facilidade com que agora lhe vemos os dentes. Até aqui era tarefa ingrata mas agora é só estalar os dedos (preferencialmente os dos pés). E assim descobrimos esta semana mais três  dentes.

Por último mas não menos importante, um dia quando a Ritinha começar a trazer namoraditos para casa, não me vou sentir tão culpado por partir as pernas aos petizes.
Quem sabe ainda damos umas valentes gargalhadas, comemos uns pistachios e bebemos umas coca-colas enquanto assistimos aos miúdos gritar e arrastarem-se moribundos pelas escadas do prédio abaixo?

4 comentários:

  1. E assim se vê a quem a cachopa saí.....

    ResponderEliminar
  2. Hahaha adorei! Tão cutchi! Coitada, a rapariga gosta de uma boa cena, eu não a culpo xD

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Lá no fundo, no fundo não gostamos todos? Xiuuu...

      Eliminar